Judas - traição predestinada?

Confira os comentários, eles podem ajudar a complementar o assunto.

Comentários

  1. Pr.Romulo boa tarde. Meu nome é Agamenon Sampaio. Gostaria de saber se os homens quando necessitam de se aproxinmar de Deus ou até mesmo aceitar Jesus como o seu salvador, pergunto: essa escolha é do homem ou de Deus?

    ResponderExcluir
  2. Pr. Rômulo, excelente a resposta sobre a predestinação X responsabilidade humana. Certa vez ouvi dizer que Deus aproveitou a índole má de Judas e assim cumpriu o seu propósito quando Jesus foi traído com um beijo e entregue aos soldados.

    ResponderExcluir
  3. Resposta a Agamenon:

    A escolha é dos dois. Deus me escolheu e, em RESPOSTA a sua soberana escolha, eu aceitei. Ou, Deus, através da pessoa do Espírito Santo, realiza em mim a vontade de o buscar e, em RESPOSTA, EU, o busco. Ele me amou primeiro, lembra?.

    Ou seja, a relação entre a nossa vontade e a de Deus não se dá "de baixo para cima", mas o contrário. Ou seja, nossa VONTADE de buscar a Deus é CAUSADA pela VONTADE do próprio Deus. O que tentei mostrar foi que uma (Vontade de Deus e do homem) não anula a outra.

    Vamos exemplificar: nunca devo usar a soberania de Deus para desculpar o meu fracasso espiritual dizendo: "Não é o tempo de Deus", alguns dizem. Sempre é tempo de santificação. Essa é a vontade de Deus.

    Na verdade, quando a Bíblia explica o fracasso espiritual de alguém ela aponta para as falhas humanas como dureza de coração, por exemplo. Nunca a explicação está em Deus. Porém, quando fala do sucesso, da santificação, do voltar-se a Deus, a explicação está no próprio Deus. Como unir essas duas verdades? Não sei.

    É isso ai.

    Caso tenha mais dúvidas que queira compartilhar, manda um e-mail para mim para postar a resposta em vídeo. Sua dúvida é a de muitos.

    Abração!!

    ResponderExcluir
  4. Continuação da resposta a Agamenon:

    No vídeo mostrei que as duas verdades não se anulam. Em minha primeira resposta acrescentei a natureza da RELAÇÃO de CAUSA entre as vontades. Quando alguém busca a Deus essa vontade foi CAUSADA por Deus. A Ele a glória. Quando alguém rejeita a Deus. Essa vontade foi CAUSADA pelo pecador. Ele é o culpado.

    ResponderExcluir
  5. Oi pastor,
    Tenho uma pergunta que talvez surja na mente de alguns, mas que já vi sua explicação sobre o assunto e achei muito boa e convincente.
    O sr falou que a causa das coisas ruins é o homem, e as boas a causa é Deus (causa como responsabilidade). Então como explicar o endurecimento de Faraó e Israel, descrito como causado por Deus?
    Grande abraço,
    de seu aluno
    Neto

    ResponderExcluir
  6. Olá Pastor!!
    Meu nome é Marcelo, gostaria de saber a relação da passagem que fala das dez virgens (vigiar, se preparar), com a predestinação em respeito a salvação, no tocante que os salvos já não estariam preparados na hora do arrebatamneto? Tenho dúvidas sobre isso!!
    Desde já grato, uma abração!!

    ResponderExcluir
  7. Olá, professor.
    Qual sua opinião a respeito do molinismo como tentativa de explicar esses dois axiomas?
    Grato,
    W.Padilha.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caro Padilha,

      Trata-se de algo muito complexo, mas, em poucas palavras, diria que o Molinismo é uma tentativa de explica a TENSÃO bíblica entre a Soberania de Deus e a responsabilidade humana. O problema nessa escola é duplo.

      Primeiro, o conceito de soberania e responsabilidade humana não são bíblicos. No molinismo temos um deus “refém de possibilidades”. A “determinação” de Deus no molinismo parece ser mais uma reação à liberdade humana do que DETERMINAÇÃO. Deus parece mais uma expectador do que o planejador. Vivemos em mundo não criado, mas resultado de possíveis escolhas humanas. Ora, se o conhecimento médio interfere na decisão de Deus, Ele não é totalmente livre. Não vejo como conciliar molinismmo com eleição incondicional, por exemplo.

      Segundo, tentam explicar o inexplicável. Prefiro o paradoxo ou o compatibilismo. Alguns entenderiam isso como fuga de discussão. Eu chamo de reconhecimento de uma tensão logicamente irreconciliável. Pense em Romanos 9-10. Paulo mostra que Deus não abandonou seu povo por que há uma eleição dentro de Israel. Logo em seguida ele explica que os israelitas não eleitos eram responsáveis. E para por ai. Acho que devemos parar por ai também.

      Findo com algumas frases combatibilistas:
      J. I. Packer:

      Para nossas mentes finitas, naturalmente, TRATA-SE DE ALGO INEXPLICÁVEL. Parece-nos uma contradição. […] uma antinomia não é nem dispensável, nem compreensível. […] É algo inevitável e insolúvel. Não a inventamos nem podemos explicá-la.

      Grudem citando Calvino:

      Aqueles a quem isso parece estranho ponderem um pouco se é tolerável o seu melindre ao recusar uma coisa atestada por evidentes provas bíblicas, só por que ULTRAPASSA A SUA CAPACIDADE MENTAL.

      Spurgeon:

      Perguntado como poderia CONCILIAR as duas verdades ele disse: “Eu não tentaria. Nunca reconcilio amigos”.

      Augustus Nicodemus:

      Há várias razões pelas quais eu resisto à tentação de descobrir a chave desses enigmas. A primeira e a mais importante é o fato que a Bíblia simplesmente apresenta vários fatos SEM EXPLICÁ-LOS.

      Heber Campos:

      NÃO CABE A NÓS EXPLICAR essas coisas no sentido mais profundo, mas cabe-nos afirmar a necessidade do compatibilismo. […] uma ação é livre mesmo que seja causalmente determinada.

      Feinberg:

      Creio que há lugar para um conceito genuíno de ação humana livre, embora tal ação seja causalmente determinada. Frequentemente há referências a este tipo de determinismo como sendo […] COMPATIBILISMO.

      Archibald Alexander:

      [o calvinismo] Encara a soberania divina e a liberdade da vontade como dois lados de um teto, que se encontram na cumieira acima das nuvens. O CALVINISMO ACEITA AMBAS AS VERDADES.

      DORT:

      Ela [doutrina da eleição] deve ser ensinada com espírito de discrição, de modo reverente e santo, SEM CURIOSA INVESTIGAÇÃO DOS CAMINHOS DO ALTÍSSIMO.

      Excluir

Postar um comentário