LIDERANÇA DE OUTRO MUNDO


O primeiro livro da trilogia As Crônicas de Aedyn chegou ao Brasil. O autor, o já consagrado acadêmico irlandês Alister McGrath, se aventurou em um novo gênero literário – a fantasia. Sem abandonar seu amor à teologia, à história do pensamento teológico e à apologética; antes, tomando todo seu vasto conhecimento como fundamento, Alister construiu um outro mundo – Aedyn.

Segundo o próprio autor, o livro tem as crianças como público alvo. Porém, seu objetivo maior é tornar temas cristãos mais acessíveis. Segundo McGrath, o tema do primeiro livro da série é confiança em Deus.

As comparações com C. S. Lewis e o mundo Nárnia são inevitáveis. Em primeiro lugar, ambos são cristãos. Ou seja, eles têm a mesma cosmovisão. Segundo, não há como escrever no gênero fantasia, sendo cristão, sem ter a influência de Lewis. Tal influência revela-se nos estudos de Alister. Atualmente ele tem se dedicado ao estudo de C. S. Lewis e está preparando uma biografia sobre seu conterrâneo a ser lançada em 2013 – aniversário de 50 anos da morte de Lewis. Como nada em McGrath é superficial, certamente teremos uma grande obra.

Quando comento (formal ou informalmente) uma obra dessa natureza fico sempre numa luta sobre o que devo ou não posso compartilhar. Temo comprometer o impacto da obra para aqueles que ainda não a leram. Prometo tentar não “falar” demais. Na verdade, meu desejo com esse post é instigar a leitura da obra comentada.

Os personagens principais do livro são Júlia e Pedro, irmãos levados a um outro mundo – Aedyn. Lá, como na Terra Média de Tolkien e na Nárnia de C. S. Lewis, somos seduzidos pelo desconhecido e o inesperado dos “outros mundos”. Os ensinamentos não estão presos na história. Como nos livros de fantasia, As Crônicas de Aedyn trazem os famosos princípios atemporais corolários da famosa expressão “era uma vez” (Aliás, é assim que o livro começa). Portanto, os problemas bem como suas devidas soluções no mundo desconhecido são aplicáveis a “qualquer mundo”.

São várias as lições. Pode-se aprender sobre julgamento precipitado, tentação, soberania de Deus, esperança, cobiça, etc. Todos, evidentemente linkados com o tema maior: confiança em Deus.
Alister McGrath

Das lições que marcaram minha leitura de Aedyn quero ressaltar somente aquelas que lidam com o exercício da liderança. Com isso não estou restringindo o artigo aos líderes oficialmente reconhecidos. Todos, homens e mulheres, são chamados por Deus a exercer algum nível de liderança. Portanto, pode continuar lendo.

O primeiro princípio: os verdadeiros líderes não buscam poder, mas responsabilidades. Esse princípio é ilustrado em três personagens que representam o despotismo e buscam o poder resultante da liderança tirânica e não o amor servil às pessoas. Aqui somos desafiados a questionar as intenções e os objetivos de nossa própria liderança. O objetivo vil e escancarado dos três personagens pode revelar nossos objetivos igualmente vis, porém ocultos de nós mesmos, por nós mesmo. Fica aqui o primeiro desafio.

Um outro princípio sobre liderança diz respeito à sua relação com a segurança. Antes de exercer liderança, um dos personagens passa por um teste/tentação/provação. Uma das tentações era exatamente a busca por segurança. A isso o autor assegura: “[fulana] não fora chamada de outro mundo para permanecer em segurança, mas para liderar”.

Trata-se de um fato: ser líder é andar em campo minado e em constante perigo. Acho até que o vocábulo “exposição” em alguns contextos seria o sinônimo ideal para “liderança”. Todo líder está exposto às criticas injustas, traições, más compreensões, maledicências etc. Somos a infantaria da igreja – a linha de frente. Estamos à frente combatendo os que se colocam em oposição e vez por outra (para não dizer quase sempre) recebemos golpes daqueles que protegemos. Nunca conheci nenhum irmão com o nome de Judas ou de Brutus; mas nenhum pastor com mais de cinco anos de ministério negará que esses são nomes que se encaixam muito bem em muitos crentes professos. Em suma, a rima de “liderança” com “segurança” é só uma “pegadinha” da língua portuguesa e está bem longe da realidade.

Diante do que foi considerado acima, é esquisito ver líderes evitando a exposição clara e direta das verdades bíblicas enquanto acampam “em cima dos muros” da segurança. Oh, que tristeza! Esquecem que nossos púlpitos não são palanques, nem palcos onde entretemos e/ou falamos exatamente o que as pessoas querem ouvir. Nosso objetivo é levá-las à reflexão e isso implica que devemos alertá-las sobre quem elas realmente são – “Joãos Ninguéns”. Isso, tenho certeza, não é nada seguro. Evidentemente que não estou ignorando o fato de que nossa segurança está em Deus. O desafio aqui é exatamente esse: confiar em Deus a despeito da insegurança de liderar Seu povo.

Uma das cenas que me marcou foi quando um dos personagens olha para o reflexo de um lago. Ao responder aos questionamentos de Gaius, seu mestre, o personagem responde: “eu não me vejo”. Fantástico! Que líder é esse que não se vê? Certamente um líder de outro mundo. Chegamos a terceiro e último princípio fundamental em um líder – a humildade.

Devido a temática sou levado instantaneamente a Filipenses 2.5 quando Paulo nos diz que devemos ver nossos irmãos como superiores a si mesmos. Uma definição perfeita de humildade. Sempre me questionei quanto ao significado desse texto. Se Paulo nos exortasse a vermos nossos irmãos como iguais, ainda assim, mas ele nos diz que devemos vê-los como superiores. O exemplo que segue nos versos 6-11 é o próprio Cristo. Ele não se apegou ao fato de ser Deus; antes tornou-se homem revelando seu caráter servil. O texto não está afirmando que devemos entender que tudo que temos, temos recebido, por isso devemos não nos apegar a isso no nosso lidar com os demais. Isso é parte da verdade. O foco é, mesmo que tenhamos algo, como Cristo a Sua divindade (diferente de nós que não temos nada por nós mesmo por sermos criaturas), não devemos nos apegar a isso. Dessa forma veremos nos irmãos os dons divinos, por conseguinte, os consideraremos superiores. Deus deseja que vejamos os Seus dons nos nossos irmãos, mas não nos apeguemos ao que nos foi dado. Ou seja, que não vejamos a nós mesmos. Eis o nosso último desafio: Esvaziemo-nos; Anulemo-nos.

Que sejamos líderes de “outro mundo”.
Segundo livro da Série
Terceiro livro da série

Comentários

  1. Vou esperar sair o filme...kkkkk

    Brincadeiraa à parte, estou louco para ler.

    Abraço

    ResponderExcluir
  2. Diz homem!

    Agradeço a participação!

    Abração!

    ResponderExcluir
  3. Oi,Pastor parabéns pelo Blog novo visu.E principalmente pelas postagens que são maravilhosas. Que Deus continue a te abençoar, e toda sua familia.
    Abraço!!!

    ResponderExcluir
  4. Pastor, ainda não li o livro (mesmo já tendo o meu exemplar), mas com o seu texto aqui publicado, me sinto atraído a ler. Deve ser muito bom! Quando eu ler, farei considerações (risos).
    Abraço meu querido.
    Guilherme Camelo

    ResponderExcluir
  5. Grande Rômulo!
    Então pastor, gostei do seu texto, de fato você conseguiu me deixar mais atraído pelo livro. Já tenho ele ha uns meses mas não pude lê-lo, mas com todo o conteúdo que você descreveu aqui estou com uma grande vontade de ler! Pois bem, quando eu o fizer, deixarei minha considerações (risos) aqui no seu texto.
    Grande abraço prof. Rômulo!
    Guilherme Camelo

    ResponderExcluir
  6. Diga Guilherme, valeu pela participação. Agora com a distância que teremos você vai ter que "aparecer" mais vezes aqui no blog. Dá uma olhada no post "Julgamento da Senhora Liberdade de Consciência". Preciso de um feedback da galera. Abração!

    ResponderExcluir

Postar um comentário