QUE PAÍS É ESSE!?


“Que país é esse!?” é o título de uma das músicas mais emblemáticas de Renato Russo. A expressão tornou-se (ou já era, não sei) um dito sempre acionado pelos brasileiros diante dos absurdos testemunhados diariamente. Diante do escândalo do mensalão (execução e julgamento também), por exemplo, é comum ouvir “Que país é esse?”.

As palavras que seguem visam responder a pergunta-exclamação e ao mesmo tempo compactuam do espírito crítico do já falecido roqueiro. Dessa forma, as palavras abaixo tem, sim, um tom negativo. Trata-se do desabafo de um descontente. No entanto, não temos somente palavras contraproducentes. Creio que elas podem ser esclarecedoras também.

Sim, não sou bairrista, nem um patriota provinciano do tipo Policarpo Quaresma. Vejo essas posturas como extremamente perigosas. Elas justificaram e fundamentaram muitas atrocidades; além disso, nos cega quanto aos nossos próprios erros, e às virtudes dos outros. Isso não implica que não amo meu país; só não o idolatro como diz o hino de Joaquim Osório. As palavras que seguem podem parecer não amigáveis, mas na verdade são palavras de dor.

Também é importante entender que o texto tem uma mensagem corporativa. Portanto, fala-se de Brasil de forma geral. Melhor dizendo, o texto é uma impressão geral do Brasil.

Certamente muitas das minhas críticas podem ser aplicadas perfeitamente a outros países também. Porém, como minha experiência transcultural é restrita a veículos indiretos (e.g., livros, internet, vídeos) e não a uma experiência in loco, prefiro me referi ao Brasil ao invés de me dirigir ao mundo ocidental ou a Europa, por exemplo.

Voltando a pergunta: Que país é esse? Respondo descontente: É um país…

…que lê a história pelos “óculos de Marx” onde sempre os pobres são os coitados e os ricos os malvados e os opressores. Brasileiro acha que todo pobre é coitado e vítima do capitalismo. Você deve conhecer muitos pobres que são verdadeiros vagabundos e muitos anticapitalistas que não estão dispostos a morar na “Cuba do Che” porque lá não tem peça de reposição para seu Honda Civic nem big mac.

…que tenta consertar o erro histórico da escravidão desmoralizando e criando uma desconfiança com todos os alunos e profissionais negros por meio da política de cotas. Ora, a justiça desejada por muitos é impossível de ser realizada. Nem uma máquina do tempo resolveria a situação. Embora queira ajudar o negro brasileiro, a política de cotas consegue piorar sua condição. Enquanto a pergunta “qual é a sua cor?” for decisiva, o país não terá virado a página.

…que exige que tudo que é afro e indígena deve ser amado como “nosso”. Ora, somos um povo misturado. Fico a pensar se realmente existe UMA “cultura brasileira”. O fato é que índios matam crianças, tem uma culinária ruim [com exceção da tapioca e da farinha] e suja [existem bebidas à base de cuspe]. Pensando na “cultura afro”, vamos ser sinceros, as “letras monossilábicas” do “axé afro” são para mentes ocas e/ou entorpecidas. Desconfio que muitos negros sentem-se pressionados a gostarem de tudo que é afro, pois, do contrário, estariam negando sua história e sua cultura. Pergunto: qual o problema com isso? A escravidão, por exemplo, é marca da história africana também. Como todos os brancos, todos os negros devem se envergonhar da escravidão.

Pensando nos índios, muitos dos que lutam pelos direitos deles não querem abandonar seus ipads e aparelhos sanitários para viver no mato. É ridículo, e em alguns casos, até desumano, deixarem os índios em certas condições somente para se ter um “museu a céu aberto”. Não tenho dúvida de que muitos índios trocariam suas tribos pela cidade. Alguns não saem, ou porque não conhecem a cidade, ou devido a um estilo de vida, a convicção (menos mal), ou ainda porque são preguiçosos mesmo. Pense comigo: se vou morar na Europa e tomo cerveja nos pubs londrinos enquanto discuto a preservação das tartarugas marinhas e a importância da reciclagem, é porque progredi. Mas, se o índio deixa sua tribo; é um traidor da sua cultura. Ora, não deveria ser “chique” também sair do mato?

que acha que os índios são inocentes e tem coração puro. Essa é de doer. Alguns veem as tribos como verdadeiros paraísos. Primeiro, ninguém acredita realmente nisso. Ninguém quer morar com eles. Eu não quero, você não quer,  nem os antropólogos querem viver em ocas. Segundo, há uma ideia idiota de que a nudez está relacionada com a inocência. Talvez devido a uma memória bíblica distorcida; não sei. O fato é que, qualquer analfabeto bíblico sabe que a nudez de Adão e Eva está longe da dos índios.

…onde pessoas ficam indignadas com as promessas não cumpridas dos políticos, mas acham o adultério algo suportável e até aconselhável. No Brasil seria muito mais grave para mim, se fosse um político, não cumprir minhas promessas de campanha (que não dependem completamente de mim já que vivemos em uma república e acorrentados numa burocracia absurda) do que não cumprir promessas que dependem inteiramente de mim (ser fiel no casamento, por exemplo).

…que é extremamente burocrático. Além do RG temos o CPF, a RH, Titulo de eleitor, reservista, cartão do SUS… ad infinitum. Quem já teve que resolver “pendengas” nos cartórios brasileiros sabe do que estou falando.

…que orgulha-se do carnaval. O país que tem orgulho de ser o maior país católico do mundo é o país que para no começo do ano para uma orgia com a bênção e promoção do estado e o perdão antecipado da igreja romana. Fico pensando na quantidade de ambulâncias disponibilizadas para atender jovens bêbados enquanto mulheres grávidas são colocadas em segundo plano. Além disso, todos sabem que nenhuma mulher pode andar com seios à mostra nas ruas. Mas, no carnaval, o estado permite tudo isso, e com cobertura ao vivo pela TV.

…que acha que todo mundo que foi torturado na ditadura militar é herói. Como bem observa Leandro Narloch, “[a tortura] deu aos grupos de luta armada um escudo anticríticas” (itálico nosso). Tente falar bem dos militares; aconselho proteger-se das pedradas. O fato é que a turma que apanhou era tão violenta quanto (ou até mais) os militares. A ditadura militar nos livrou da opressão e intolerância tão marcante nos regimes socialistas e comunistas defendidos por guerrilheiros patrocinados por Stalin.

…que iguala qualquer lampejo de autoridade com opressão. Pais, professores, policiais e qualquer “não” são vistos com desconfiança. Muitos dos que apanharam na ditadura acham que tudo é repressivo. Todos tem dificuldade com fardas, patentes e hierarquia.

…que iguala palmada com espancamento. Não há dúvida de que a “lei da palmada” coloca os pais como reféns dos filhos. Não precisa ser profeta para ver a imundície que isso vai dar. A invasão do estado é brutal. Além disso, a lei pressupõe uma inocência nas crianças que não encontramos nem nos contos de fada. Na Suécia, por exemplo, toda criança é incentivada, diante de uma simples ameaça, a denunciar os pais. Os efeitos disso nas guardas das crianças de pais separados são inevitáveis. Como fica o referencial de autoridade? Não fica, morre!

Ainda pensando em criança, no Brasil um cara com 1,80 de altura, noventa quilos de massa muscular, no final do ensino médio e votante não pode ser condenado. Pasme, o cara pode matar e quando completar seus 18 anos terá uma ficha tão limpa quando a de uma criança intrauterina. No Brasil, idade (e não a gravidade do crime e a consciência do criminoso) é critério absoluto de julgamento. É menor? Pode fazer. Pode matar. Fica à vontade Joãozinho, você só tem 15 anos; nem seu rosto nem seu nome vão aparecer. É isso mesmo turma, o cara pode olhar para a câmera do circuito de segurança, com certeza, e para tristeza dele, sua imagem não vai aparecer no Jornal Nacional. Ele deve ser preservado. O endereço do absurdo é Artigo 27 do código penal e Artigo 247 do Estatuto da Criança e do Adolescente.

Não faz muito tempo que ouvi um retardado afirmando que o Estatuto da Criança e do Adolescente me proíbe de chamar o cara de “menor”; ou ele é criança, ou é adolescente. O pior é a explicação: é “opressivo” chamar o marmanjo de “menor”. Assim, o cara pode assassinar, mas chamá-lo de menor é opressivo. Que país é esse?

…que acha que é dever do estado providenciar tudo. Esquece-se de que quem dá, da comida à saúde; da educação ao gás e impede os pais de aplicarem home school logo estará dizendo ao povo no que deve ou não deve crer. “Quem come do meu pirão, prova do meu cinturão” já diziam os antigos.

…que permite que eu “encha a cara”, mate várias pessoas atropeladas e não seja obrigado a me submeter ao teste do bafômetro porque ninguém pode providenciar prova contra si. Quem inventou e/ou corroborou tamanho absurdo vê tudo à luz da ditadura militar (especificamente a tortura). Não tenho dúvidas de que muitas leis foram criadas enquanto seus autores pensavam no pau de arara.

…que crê que todo crime contra homossexuais é fruto de homofobia. O próprio conceito de homofobia é ridículo. A ideia é que quem comete violência contra homossexual não tem sua identidade sexual definida; por isso o violenta. Posso dizer, então, que todos os idiotas que brigam por seus times não tem bem definido o time que gostam. É isso mesmo? E quando um homossexual fala mal de um crente é porque ele não tem sua identidade religiosa definida? É isso mesmo?! Posso dizer que todo homossexual que comete “evangelicofobia” no fundo quer ser pastor? Ou, quando critico um político é porque não tenho uma moral definida? Só um retardado mental aceita isso.

…que a prática homossexual é fruto da “liberdade colorida” e que todos são “alegres” (gays). Não precisa viver muito para saber que muitos são extremamente depressivos. Isso me leva a outra consideração…

…que crer que toda tristeza do homossexual é causada por preconceito heterossexual. Eles nunca são fracos; os outros é que são brutos e opressores. Eles nunca são neuróticos, os outros é que os desprezam exatamente e somente por serem homossexuais. Essa questão do preconceito é tão paranoica, que logo estaremos (se já não estamos) vivendo uma ditadura de neuróticos. Logo logo pessoas estrábicas serão presas porque olharam de forma estranha para um homossexual.

…que entende que qualquer discordância intelectual com respeito à homossexualidade é homofobia. Se eu disser, por exemplo, que a homossexualidade masculina passiva é prejudicial à saúde, serei considerado um homofóbico. Se eu disser, por exemplo, que o homossexual só pode ser estuprado por outro homossexual serei considerado um homofóbico. A lógica me diz que somente um homossexual tem relação com outro homossexual.

…que entende como forma legítima de patriotismo escrachar os americanos. Acordem meus queridos, estamos longe deles. Eles são os maiores, ponto. Esse discurso antiamericano é tolo. Não estou aqui dizendo que os EUA não têm defeitos. Já convivi com muitos americanos para saber que a coisa é bem diferente. Mas, comparo esses “brasileiros antiamericanos” ao cara que comprou um carro popular em 60 prestações e não consegue conviver com a riqueza do vizinho que tem um camaro comprado à vista. Sempre existiram superpotências. E somos, no máximo, uma nação candidata a potência. Só.

…que acha que as conhecidas “celebridades” devem ter algo a dizer sobre tudo. Geralmente são chamados para a TV para dá opinião sobre aborto, inseminação artificial, clonagem, moralidade…. No mundo da democracia, do facebook e dos blogs, todo mundo quer ter uma palavra sobre qualquer assunto. A superficialidade e os comentários arrepiantes são simplesmente insuportáveis.

Uma breve digressão para falar dos teólogos de blog. Observe que a maioria não identifica sua igreja local. Desconfio de toda instituição e pessoa que ignora ou não tem compromisso com a igreja local. Conheço alguns que sequer podem ensinar em suas próprias igrejas por falta de compromisso, mas são celebrados pela turma da grande rede. Os caras leem três livros de teologia e falam sobre tudo. Conheço, de cara, teólogos sem compromisso com igreja local: são vazios, sem misericórdia, taxativos, cheios de ideias mirabolantes, críticos vorazes e não produzem nada na vida real – na igreja local. Comparo a meninada que se atreve a escrever sobre teologia sem ter que prestar contas à igreja local como o aluno que chega atrasado na sala e quer falar – está fora de contexto.

…onde filhinhos de papai, nerds jogadores playstation e torcedores de futebol vestem a camisa estampada com a face de Che Guevara. Não tenho dúvida que Che Guevara mataria muitos desses idiotas. O ponto aqui não é quem está certo (é claro que o Che não está), mas a incoerência gerada pela ignorância. Não tenho dúvida de que Che Guevara só não matou mais pessoas que Hitler porque não tinha a mesma capacidade intelectual do austríaco (apesar desse só ler material alemão – era um patriota provinciano).

…que não lê a Bíblia, mas a considera homofóbica, opressiva e patriarcal. Se todo homossexual conhecesse um pouco da Bíblia, saberia que o cristianismo não é uma ameaça para eles. Não porque aprova suas práticas, mas porque preza pela “liberdade [responsabilidade] da alma”. Não há ameaça em um sistema que nos convida a amar os nossos inimigos. As feministas de plantão não sabem nada de Bíblia. Aqui vai o que Deus quer que eu faça pela minha esposa: “Maridos, amai vossa mulher, como também Cristo amou a igreja e a si mesmo se entregou por ela…” (Ef. 5.25) e “os maridos devem amar a sua mulher como ao próprio corpo (Ef. 5:28). Feministas são mulheres mau amadas. Falta homem no mercado, sim, mas isso é outro assunto.

…que iguala intelectualidade com ateísmo (como se ateísmo fosse uma conclusão intelectual e não moral e/ou existencial). Nas palavras de Pondé “Até os golfinhos conseguem ser ateus, porque o ateísmo é a visão de mundo mais fácil de ter…”.  O fato é que os estudos não nos afastam de Deus, somente revelam que não é uma questão fácil. Ser ateu na verdade é ser tapado. Raciocine comigo: dizer que algo não existe pressupõe onisciência. Só posso dizer que não tem baratas no restaurante X depois de longa investigação. Tenho que conhecer tudo para dizer que algo não existe. Toda declaração de ateísmo é uma declaração de divindade. Assim, ou eles são oniscientes ou imbecis.

…que acredita que revelar os pecados e os escândalos dos cristãos destruirá o cristianismo. Sinceramente; é de rir. Deixe-me dizer uma coisa para a turma que está fora da Igreja: Toda igreja que tem compromisso com as Escrituras está constantemente sendo lembrada da sua condição de pecado. É costumeiro ter nossos pecados expostos. Paulo, Pedro, os profetas do AT e o Senhor Jesus nos revelam constantemente quando os lemos. Todo cristão autêntico está acostumado com críticas e/ou admoestações. Aliás, posso dizer com segurança que os de fora pegam leve; bem leve. Eles acham, por exemplo, que adultério é sair com outras mulheres. Sinceramente, eu posso sobreviver a tal acusação. Isso não me atinge. Mas Cristo nos diz que só em pensar, cometo adultério. Isso, sim, me atinge. Jesus pega muito mais pesado que nossos acusadores.

Deixe-me dá outro recado: denominar-nos de “fanáticos” e “loucos” aumenta nossa alegria. Se a imprensa noticia que um pastor é milionário ou explora os fiéis, a pergunta que faço é: “Qual é a novidade?” Nós não somente temos conhecimento disso, como esperamos por isso. E é a própria Bíblia que gera essa expectativa. Nunca será surpresa ter um representante do cristianismo envolvido em escândalos. O Supremo Pastor já nos alertou sobre isso. O fato é que a Igreja nunca acabará.

…que acha que somente os tapados intelectuais são agentes de preconceito e que todo objeto de preconceito é sempre vítima. Ora, TODO ser humano é preconceituoso (é instinto de proteção) e muitas das ditas “vítimas” de preconceito são pessoas supersensíveis que acham que o mundo gira em torno delas e que todas as palavras e olhares são contra elas. Outras simplesmente não querem pagar o preço de suas escolhas. Sou cristão e pastor. Já fui barrado em empresas de crédito exatamente por ser pastor. É o preço. Sei que muitos têm preconceito simplesmente por proteção. Certamente deve haver uma explicação histórica para tal atitude. O que não posso é colocar na conta dos preconceituosos todos os meus fracassos.

…onde ninguém pode ser chamado de “rolha de poço” ou “dente de nós todos” (já fui chamado assim) porque é bullying. Não que seja a favor de bullying; longe disso; longe mesmo. Nem que seja a favor de expressões pejorativas e depreciativas dirigidas a indivíduos. Mas a forma como alguns abordam o assunto poderá nos levar a ser um país de fracos, hipersensíveis e “deprimidinhos”. O que é interessante é que os caras que praticam bullying geralmente são menores. Ou seja, não podemos nem sequer mostrar o rosto ou nomes dos autores e depois de 18, caso sejam detidos, terão uma ficha limpa.

…onde a palavra do terapeuta é tão exata quanto à lei da gravidade e a do pastor tem menos peso que as palavras de uma participante desses realities shows. Aliás, ser pastor no Brasil é ser ralé. Só aparecemos na mídia para explicar algum escândalo. E quando pendem a opinião, escolhem os menos preparados. Fico paralisado como todos podem dá uma opinião: psicólogos, políticos, escritores, jornalistas, celebrites, desportistas, carnavalescos, atores, cantores, médicos, músicos, radialistas…Pastores?! Pastores não. Pastor é ralé.

…que pensa que todo professor universitário é inteligente. É de rir – de morrer de rir. Tem mais: os alunos do ensino “superior” acham que são superiores mesmo. Pior: os pais se orgulham dos diplomas dos seus filhos pelo mesmo motivo.

…que acha que os EUA devem ter uma política de desarmamento mais rígida. Vamos aos fatos. As cidades onde os “crimes escolares” aconteceram tinham números baixíssimos de morte por armas de fogo. Aqui no Brasil qualquer “zé mané” com o um revolver acha que tem superpoderes. Lá não é assim, pois a todos é dado o direito de ter “superpoderes”. Se o Brasil aplicasse a mesma lógica com que julga a liberdade bélica americana para si mesmo seria proibido vender enxada. Se a rigidez na politica de desarmamento fosse a solução, o Brasil não teria crimes. Se pudesse escolher, preferiria a liberação de armamento americano do que a rigidez brasileira. É só saber contar. Onde moro, matam um hoje e deixam dois amarrados para o outro dia. É guerra civil. Nos EUA as mortes por armas são pontuais (porque são raras), aqui as mortes são pontuais (porque acontecem todos os dias, com hora marcada).

…que coíbe (seria proíbe?) os professores públicos reprovarem seus alunos por uma questão de estatística. Deixa-me falar uma coisa sobre educação pública (até o ensino médio pelo menos): ela não presta. Nenhum professor crê nas estatísticas. Não estou aqui dizendo que pessoas da educação pública não podem crescer intelectualmente. Não creio que o status intelectual é determinado por questões sociais e nem que as escolas são determinantes para a intelectualidade de alguém. Aliás, acho que o sofrimento é uma ótima escola.

Ainda pensando em educação; no Brasil educação é também fruto da onda da terceirização. Seja nas escolas particulares, seja nas públicas, os pais entregam seus filhos inteiramente à escola. Ela é o álibi perfeito para o fracasso dos filhos. Vá para uma reunião de pais e mestres ou simplesmente pergunte aos diretores das escolas: “quem dá mais trabalho, os alunos ou os pais?”. Hoje o pai entrega seus filhos ao colégio, à natação, ao reforço...

…que vê o sindicalismo como uma autêntica forma de se buscar o bem-estar dos “oprimidos”. Boa parte não passa de uma cambada de preguiçosos. Aqui vale lembrar as palavras do sábio Salomão “Como vinagre para os dentes e fumaça para os olhos, assim é o preguiçoso para aqueles que o mandam” (Pv. 10:26). E ainda: “O preguiçoso morre desejando, porque as suas mãos recusam trabalhar”. (Pv. 21:25). O fato é que muita gente tem comido o “pão da preguiça”.

…que entende que a universidade é lugar para todos. Ora, nem todos tem a mesma capacidade intelectual. Você nem sequer precisa saber ler para ter ciência disso. Basta conhecer duas pessoas. Só. Se hoje as universidades estão cheias não é porque o brasileiro está mais inteligente, mas é porque o ensino piorou. A prova é que hoje não basta você dizer que é formado em direito; você tem que dizer que passou na prova da OAB. E sabemos que são poucos os que passam. O chamado “sertanejo universitário” revela todo seu nível intelectual com letras profundas como “tchê tchererê tchê tchê”. Se o universitário está assim, imagina se fosse “sertanejo de creche”. Não digo “sertanejo do ensino fundamental” porque meu filho de dez anos faria coisa melhor; além disso, a turma da creche não tem como ficar ofendida em compará-los com tamanha superficialidade.

…que prega que o machismo é culpa dos homens como se todos fossem filhos de pais solteiros ou de chocadeira. Onde estão as mães desses machistas? Caso você ache que sou um deles, digo que não fui criado pelo meu pai, mas pela minha mãe. Reclame com ela. Não duvido que algumas feministas diriam que Usain Bolt só é o campeão dos 100 metros rasos por causa da opressão patriarcal. Deixe-me dizer uma coisa para as mulheres: olhem-se no espelho. Não somos iguais. Somos diferentes; em virtudes e defeitos. A prova disso é que ao mesmo tempo em que querem ser tratadas como iguais, querem delegacias especializadas e gostam de romantismo. Além disso, nunca vi uma mulher se gloriar de ter um marido “barriga branca”. Se encontrar alguma que se vangloria disso, pode ter certeza, ela é uma frustrada.

…que acha progresso vê suas mulheres como mães solteiras e independentes. Usando as palavras de Luis Felipe Pondé: “mãe solteira só feliz na novela das oito”. Fui criado por uma mãe solteira. Não vejo nada de sublime nisso. Sugerir um novo modelo de família e tratá-lo como normal é tolo. Dois homens com uma mulher, duas mulheres com um homem, homem com homem, filhos de um pai vivendo com outro; tudo isso pode ser administrável, mas está longe de ser algo “sonhável”. Só os ouvintes das repetitivas e entorpecedoras frases da maldita autoajuda (geralmente vinda da boca de artistas superficiais) creem e sonham com isso. Todo filho de pais separados sabe, no fundo, que foi desconsiderado e que a separação é uma declaração aberta de incompetência dos seus pais. Não há honra nisso. E se algum pai diz o contrário, é mentira. O que um pai ou mãe que se separam tem que fazer é reconhecer o erro; só.

…onde o mico leão dourado e a arara azul são mais importantes que as crianças e os presidiários. Sinceramente não acho que a extinção de alguns animais traria todos os males que muitos “Nostradamus do meio ambiente” preveem. E todo esse papo de aquecimento global pode pegar aqui no Ceará. Mas vai dizer isso para um cara que mora na Groelândia ou na Rússia. Se está mais quente em alguns lugares, está mais frio em outros. Aquecimento global está longe de ser um assunto resolvido como muito da mídia coloca. Observe o tratamento dado aos animais e o dado aos presidiários. Não duvido que muitos presidiários hoje estariam dispostos a dividir a sela com o leão no zoológico de São Paulo. Talvez sua única dificuldade seria de dividir o celular com o rei da selva. No Brasil, às vezes é melhor ser árvore ou macaco do que gente. Ainda pensando na relação homem/animal, têm sido cada vez mais comum reportagens cujos protagonistas são animais. Nunca pensei que o atropelamento de um cachorro fosse pauta de jornal. Será que não morreu nenhum ser humano mais digno que um cachorro nesse mesmo dia?

…que tem como propaganda para o mundo o traseiro nu de mulheres e ainda sente-se ofendido quando estrangeiros se aproximam das suas mulheres como prostitutas. Moro em uma cidade litorânea. Garanto a você que 70 por cento dos turistas estrangeiros vêm para desfrutar das “belezas naturais” – acho que fui claro. Não conheço e nunca conheci turista (homem e solteiro) interessado na história e na arquitetura do Ceará. Podem me chamar que preconceituoso, mas tenho o direito e o dever de desconfiar de turistas estrangeiros solteiros. Muitos turistas que conheço não passam de caçadores de tundás.

…onde pode-se (na verdade, deve-se) gastar mais da metade do salário com bebidas, festas, orgias, drogas, jogo de futebol, camisas de times; mas, se se doa dez por cento da sua renda para uma comunidade que acolhe e cuida de sua família, é fanatismo.

…que diz que Deus é brasileiro e enche os estádios no domingo.

…onde o patriotismo é confundido com torcer pela seleção de futebol. Futebol é um capítulo à parte no Brasil. Pensa comigo, existe coisa mais tola do que um país se orgulhar de um esporte? Um país deve se orgulhar da paz, da luta pelo direito de ir e vir, da sua história de conquistas, da educação dos seus cidadãos, da luta contra a tirania, etc. Acompanha o meu raciocínio: a maioria dos nossos desportistas de sucesso costuma testemunhar dificuldades (geralmente pobreza, desestrutura familiar) de suas vidas. Ora, isso não é um testemunho indireto contra o país? O fato é que nossos atletas são o que são a despeito da falta de estrutura do país. É aqui que está o glamour. Admiramos muitos atletas exatamente porque superaram a falta de apoio. O que o estado fez para o Neymar ser o que é? Nada. O Santos, sim, uma instituição privada, apostou as fichas no garoto. Qual a participação do estado e cultura brasileira no tricampeonato de Airton Senna? Nenhuma. A explicação do seu sucesso está em sua família (como no caso do Neymar também).

Acho que é só… eu Acho…

Comentários

  1. Você falou tanta coisa que "tá" atravessada na garganta de tanta gente. Mas que não tem peito, raciocínio para expor QUE PAÍS É ESSE! Valeu! Não dá para parar a leitura, o texto é longo, mas cada trecho lança o gosto para o próximo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Diz Marcão!

      É uma grande honra ter sua participação aqui no Arquivo R. Obrigado pelas palavras incentivadoras. Vamos orar pelo nosso país. Abração!

      Excluir
  2. Pensamentos profundos e totalmente lógicos! Que o Senhor continue te abençoando e preservando seu compromisso com a Palavra, com o Evangelho e com a Verdade!
    Querzia

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olha quem está por aqui! Querzinha. Legal. Que eu possa ter contribuído para uma visão mais crítica do nosso país. Espero ter sua participação em futuras postagens. Abração!

      Excluir
  3. Essa e uma visão que poucas pessoas tem, ou querem realmente enxergar! parabéns Pastor.
    Jairo Cosmo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Diz Jairão, obrigado pelas palavras. Abração em toda a família!

      Excluir
  4. Pr. Rômulo, obrigado por compartilhar seus pensamentos conosco. Sem dúvidas, excelente texto, extremamente enriquecedor! Abração!

    ResponderExcluir
  5. Muito obrigado meu irmão! Acertei com seu pastor para estar na sua igreja em Novembro. Espero que tenhamos um bom tempo com sua igreja. Em junho estamos juntos aqui em Aquiraz. Até lá. Abração!

    ResponderExcluir
  6. Pastor ser cristã e estudante de Serviço Social em um país como ESTE é super difícil, mas ao analisar estes assuntos através de seu pensamento crítico e lógico fico bastante grata, pois o que faz em grande parte o país ser ESTE é a falta de pensamento crítico por parte da população...Que Deus te abençoe sempre.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olha a Tati ai prestigiando meu blog! Abração meu amor. Muito obrigada por suas palavras. Espero ver sua participação mais vezes aqui. Abração!

      Excluir
  7. Respostas
    1. Diz Henrique! Obrigado por prestigiar o blog. Abraço em toda a turma do Planalto e sua família. Espero vê-lo qualquer dia desses. Abração!

      Excluir
  8. Pastor, parabéns pelo texto. Foi autêntico, despojado de qualquer hipocrisia. Sou seu aluno a Escola Spurgeon (curso online) e trabalho como juiz de direito aqui no Estado de SP. Tudo o que foi dito no texto é veemente, mas é impressionante como as pessoas se negam a ver; preferem permanecer sendo idiotizadas pela escola da mídia e das instituições públicas e privadas. A mídia funciona como a publicidade da tolice, enquanto as instituições públicas trabalham para regulamentar o pecado. E quando não concordamos, somos preconceituosos. Hoje respondemos, deforma descontente, à pergunta: "que país é esse?". Entretanto, não nego que, pelo andar da carruagem, muito me preocupa quando penso na seguinte pergunta: "em que tipo de país viverão nossos filhos?". Grande abraço. Deyvison Heberth dos Reis.

    ResponderExcluir
  9. Prezado Deyvison Reis,

    Sou muito grato por suas palavras. Suas palavras enriquecem os post. Quanto ao fato de ser meu aluno na ECS, quero deixar um canal aberto para suas críticas e dúvidas. Fique à vontade. Meu e-mail é rom_fran@hotmail.com. Abração!

    ResponderExcluir
  10. Vamos desenvolver a abordagem do post e editar um livro, onde cada tópico sirva de base para cada capítulo. Massa!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Diz homem!
      Obrigado pelo apoio. Sobre o livro; quem sabe?!
      Abração na família!

      Excluir
  11. Apropriadíssimo!

    Sugestão: Desenvolva a abordagem do post, edite-o e lance-o. Cada tópico abordado como um capítulo. O livro ficaria excelente.

    ResponderExcluir
  12. muito bom, muito bom mesmo, e eu acho que não é só, infelizmente. e o que me deixa muitas vezes mais triste ainda é que muitas dessas pessoas que se deixam levam pela midia como um todo, estão dentro de muitas igrejas, mostrando assim um conhecimento ralo, ou nenhum, da Palavra de Deus. parabéns.

    ResponderExcluir
  13. Pastor Rômulo,

    Suas palavras são mais que relevantes. Mas, sabe pelo que me entristeço? Saber que, quando afirmamos alguns desses pontos, somos tachados de revoltados, esquerdistas, escandalosos (no pseudo-sentido bíblico, se é que me entende) etc. E isso por membros de nossas igrejas inclusive! Mas não podemos calar. Somos formadores de opinião e mais competentes do que os artistas superficiais supracitados. Difícil só será lutar. Mas o Mestre foi tachado de coisas muito piores e venceu o mundo.

    Ah... e se posso adicionar um "Que país é esse?" que...
    Acha que o consciente de suas habilidades é orgulhoso e o auto-comiserado é humilde. Sendo que o cônscio de suas habilidades sabe muito melhor quais são suas limitações e o auto-comiserado nada mais é do que um orgulhoso que deseja ser bajulado a custo de sua própria auto-depreciação.

    That's it!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Grande Felipe,

      Você é um daqueles alunos que marcaram minha vida como professor. Saudades das nossas aulas de grego meu brother. Espero e estou certo de que você tem desenvolvido suas habilidades.

      Quanto ao artigo, assino em baixo ao "plus" que você deu. É isso mesmo, humildade não é auto-depreciação em busca de bajulação, é sim, em certo sentido, auto-depreciação (esvaziamento, mortificação etc.), porém visando reconhecer o que Deus tem feito "no outro" ao ponto de considerá-lo "superior a nós". É reconhecer os dons recebidos, mas não "se agarrar" a eles no lidar com os demais. Humildade como amor é o resultado maravilhoso da ação do Espírito de Deus em nós nos capacitando a olhar além de nós mesmos.

      Abração! Espero vê-lo um dia.

      Excluir
  14. Pr. Rômulo,

    Já falei em uma situação anterior a essa (e pessoalmente)que o senhor foi muito marcante em minha vida, me introduziu a teologia, me ensinou a pensar, valorizar a minha igreja local, e etc. Fico grato, muito grato, pela passagem que o senhor teve na minha vida, e ainda tem passado me ensinado à distância. Que Deus lhe use e lhe abençoe cada vez mais! De fato estava precisando ler um texto assim, confesso que tenho me sentido profundamente triste com que tenho visto no país em que eu amo. Creio que a santa providência está atuando neste blog (rs).

    No mais, um grande abraço para o senhor e para toda a sua família.
    Mandei um email para o senhor.

    Fica na paz!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olha só quem apareceu?!

      Legal cara tê-lo aqui. Saudades do A2! Saudades das conversas! Suas palavras só trazem mais responsabilidade na produção dos próximos posts. Por outro lado, enche meu coração de alegria saber que o ajudei de alguma forma a olhar e a orar por nossa nação.

      Vou ler o e-mail e respondê-lo ainda hoje. Abraço na sua esposa! Que Deus o abençoe em seu ministério junto aos presidiários.

      Excluir
  15. Você foi grandemente usado pelo Espírito Santo para revelar, de forma clara, assuntos diversos e profundos. Deus te deu o dom da escrita... Oro para que continue sendo um forte instrumento nas mãos do nosso precioso SENHOR...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Meu amado Gilsão,

      Tomo as palavras "Deus te deu o dom da escrita" como vindas do Espírito Santo de Deus. No domingo, depois que você me disse isso, meu coração ardeu. Elas ficaram e ainda ficam ecoando no meu interior. Que Deus mande mais mensageiros seus para solidificar essa verdade cada vez mais em meu coração.

      Abração do seu amigo. Estamos juntos!

      Excluir
  16. Pr. Rômulo tenho acompanhado a algum tempo seus escritos e sido edificado por seus textos e pregações, lamento não poder escultá-lo como antes, mas tenho acompanhado seu blog, como sempre, excelente texto, falou o que sempre quis dizer mas não consigo, peço permissão para compartilhar nas redes sociais, concordo com tudo o que disse e agradeço por compartilhar conosco e esclarecido muito do que acontece, infelizmente, em nosso país, oremos para que Deus tenha misericórdia desse país e que levante cada vez mais homens e mulheres para lutar por uma cosmovisão sadia, correta e bíblica(cristã), uma sociedade que pense e busque a verdade.
    Cleciano Chaves,
    membro da Igreja Batista Regular Ebenézer

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Prezado Cleciano,

      Muito obrigado por sua palavras meu amado irmão. Fico feliz que estou colaborando, mesmo à distância. Abração! Que possamos nos encontrar por aí.

      Pr. Rômulo Monteiro.

      Excluir
  17. ...certamente que esses são problemas não só do Brasil, mas de vários outros países, que em níveis diferentes refletem várias dessas deficiências. O conceito exagerado e errôneo de patriotismo não é o maior(pecado), porém um dos contribuintes, da inversão de valores na minha opnião.
    Obrigado Pelo trabalho Pastor (bastante claro), Deus abençõe.
    Pedro Figueiredo (I.B.R. Sião)

    ResponderExcluir
  18. Obg pastor, pela leitura bastante clara.
    Certamente esses são reflexos de uma "sociedade sem Deus"(não é propaganda!"risos")
    Abraço, Deus abençõe.
    Pedro Figueiredo (I.B.R.Sião)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valeu Pedrão! Ah, obrigado pela propaganda do livro. Abraço em todos ai de Sião! Espero ter mais de sua participação aqui.

      Excluir
  19. muito pertinente. Acorda Brasil!!!
    Clenio

    ResponderExcluir
  20. Enquanto houver aqueles que não compreendem a opressão e mais do que isso, desconhecem o opressor, e ainda pior do que isso: reconhecem a opressão e distinguem perfeitamente o oprimido do opressor, mas prefere defender que "isso é coisa do marx", infelizmente, haverá questão social. Enquanto houver questão social, haverão suas expressões!
    Contudo, não se sensibiliza o vaidoso, porque o vaidoso não reflete em torno de palavras e ideologias alheias, ele apenas degusta suavemente o sabor do seu ego, enquanto se admira como opressor camuflado em pensador e dissimula todo um povo com palavras bonitas (bem... na verdade só tenta, porque os tempos são outros)...
    mais fácil oprimir assim (ou tentar oprimir assim), não é mesmo, caro "R"?
    Espero que vc tenha conseguido convencer muitos a pagarem o dízimo ao invés de comprar a cerveja do fim de semana!

    Ranne Miranda

    ResponderExcluir
  21. Parabéns Pastor Rômulo, falou tudo que estava engasgado.

    ResponderExcluir
  22. Pastor Rômulo,

    um texto completamente verdadeiro e que sem sombra de dúvidas retrata a nossa realidade.
    Ultimamente eu tenho me perguntado por qual razão eu tenho elevado minha voz para gritar: "EU SOU BRASILEIRA, COM MUITO ORGULHO." Quando na verdade tenho muito em que pensar e refletir no que diz respeito ao nosso País.
    Fui pras ruas com o objetivo de lutar pelo "país"(no que se trata da minha escolha profissional), mas ao chegar lá pude ver muitos ditos "brasileiros com orgulho" lutar sem causas, com o objetivo de apenas estar no meio de um aglomerado de pessoas por achar massa.

    Depois de ler esse brilhante texto, sinto o prazer de dizer que concordo plenamente com cada virgula que nele contém.

    Os nossos valores morais, éticos, profissionais, e principalmente RELIGIOSOS estão completamente invertidos. Um país onde as pessoas não se escandalizam com o absurdo explícito das relações homossexuais serem tratadas como “natural”, a nudez como arte, a música usada para divulgar comportamentos imundos e os artistas que a compõem ganharem prêmios de excelência musical, a educação como um meio de atingir números, enquanto os alunos não aprendem o que realmente é uma vogal ou uma consoante e a função de cada uma dessas letras, onde a entrega racional e emocional é mais importante que aprender qual o real sentido do amor, onde os pais são símbolo de fraqueza por não poderem educar seus filhos e muitos deles por que não querem educar seus filhos como realmente devem ser educados, onde a traição é tratada como um assunto comum e certo, o casamento tratado como um produto (agora eu quero; aaah agora eu não quero mais) e os filhos deixados de lado (pais que acham que um filho sempre tem que ter tudo sem nenhum obrigação, responsabilidade e limites) .

    Onde o amor a Deus e a seu Filho Jesus é hostilizado e ridicularizado.
    Onde estar com Cristo não é nada, porque o importante é ir a uma festa ou beber ou qualquer outra coisa.
    Realmente é muito difícil enxergar que a realidade em Cristo é a nossa melhor opção de escolha e como ouvi nós somos ovelhas e precisamos do NOSSO PASTOR para que ELE possa nos guiar pelo seu fio condutor ao verdadeiro mundo, o mundo DELE à vida com ELE o FILHO AMADO DE DEUS, Jesus Cristo.

    Jéssica Vieira (IBF)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Diga minha amada! Muito obrigado por suas palavras. Certamente o texto foi enriquecido. Abração!

      Excluir
  23. …que crê que todo crime contra homossexuais é fruto de homofobia. O próprio conceito de homofobia é ridículo. A ideia é que quem comete violência contra homossexual não tem sua identidade sexual definida; por isso o violenta. Posso dizer, então, que todos os idiotas que brigam por seus times não tem bem definido o time que gostam. É isso mesmo? E quando um homossexual fala mal de um crente é porque ele não tem sua identidade religiosa definida? É isso mesmo?! Posso dizer que todo homossexual que comete “evangelicofobia” no fundo quer ser pastor? Ou, quando critico um político é porque não tenho uma moral definida? Só um retardado mental aceita isso.
    senti muita vontade de postar isso na linha linha do tempo, mas sinto que seria apedrejada virtualmente. mas responderia muitos das postagens chulas que vejo.

    ResponderExcluir

Postar um comentário